Início arrow Opinião arrow 20 de Setembro, um dia crucial para a Palestina
Bem Vind@s!
Início
Noticias
Agenda
Opinião
Documentos
Eleições
Ligações
Sugestões e Denúncias
adere.jpg
 
tv_esquerda
 
 







20 de Setembro, um dia crucial para a Palestina Imprimir e-mail
19-Set-2011
sofia_gomes.jpgNa próxima Terça-feira, Mahmound Abbas vai às Nações Unidas para se candidatar como Membro de pleno direito desta instituição o que implica o reconhecimento como Estado soberano.

Após a paragem completa das negociações com Israel, este parece ser o caminho que resta. Não é a solução perfeita. Pessoalmente, sou a favor de um Estado único para os dois povos: palestinianos e israelitas com direitos e deveres iguais, sem qualquer tipo de discriminação formal ou material. Contudo, perante as circunstâncias, devo reconhecer que esta meta ainda está muito longe e vai depender dos dois povos, não apenas de um. Podemos considerar que as recentes manifestações em Israel talvez indiciem um sinal, bem pequenino, mas um sinal positivo para o fim da ocupação. Pergunto-me o que pensa a esquerda israelita sobre isto e quando é que vai perder o medo e incluir reinvindicações claras para o povo palestinianos pois, aí sim, estaremos no bom caminho.

Perante tal atrevimento dos palestinianos, os EUA já começaram a sua campanha para pressionar os seus aliados para que não apoiem a candidatura, em especial a Grã-Bertanha por ter voto no Conselho de Segurança. O representante para a paz no Médio Oriente, Tony Blair (sim, o mesmo Tony Blair que invadiu o Iraque, leram bem) também já se deslocou ao local no sentido de evitar que tal aconteça. Por outro lado, a Liga Árabe já declarou o seu apoio e o embaixador saudita em Nova Iorque escreveu um artigo no New York Times avisando os EUA de que, caso não reconheçam a Palestina, a sua reputação ficará ainda mais manchada no mundo árabe.

Então e que tem a União Europeia a dizer sobre tudo isto? Até agora não ouvi nenhuma reacção do Presidente van Rompuy nem a Alta Representante Catherine Ashton. Afundada numa crise económica para a qual não há imaginação nem vontade política para a solucionar beneficiando os cidadãos europeus, a Europa vai perder este momento decisivo de encontrar a sua voz e não ser um parceiro menor ou mero um diplomata mais polido do que os EUA. A UE deve apoiar a iniciativa e assim libertar-se de um política externa que é, no mínimo, rídicula e inócua.

Já é tempo de nos libertarmos dos fantasmas do passado e ver a realidade como ela é. Israel não é David, mas sim Golias e, através de ocupações ilegais, apropriação de recursos vitais como a água, da construção contínua de colonatos, da construção de infra-estruturas exclusivamente para judeus, de inúmeros postos de controlo, de prisões sem julgamento e de abuso de poder e tortura por parte das forças militares, tornou-se numa aberração contrária a qualquer ideal democrático e do Estado de Direito. Portanto, é mais do que tempo de a UE acabar terminar com a política de “dois pesos, duas medidas”. Se foi tão ágil a apoiar a queda do regime de Kadaffi por contínuas violações dos direitos humanos e regras democráticas, então também deve apoiar a criação do Estado Palestiniano.
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
14449778_1017459351699565_1908966147365647017_n.jpg
O que quer o Bloco?
oet2.jpg

capajornalnov16.jpg

Legislativas 2015
Vota Bloco de Esquerda
Revista Vírus
© 2022 Site Distrital de Vila Real - Bloco de Esquerda
Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.