Início
Bem Vind@s!
Início
Noticias
Agenda
Opinião
Documentos
Eleições
Ligações
Sugestões e Denúncias
adere.jpg
 
tv_esquerda
 
 







Encerramento dos Tribunais de Boticas, Mesão Frio, Murça, Mondim de Basto, Sabrosa e Valpaços Imprimir e-mail
21-Jun-2012
COMUNICADO 
 
Em defesa dos Tribunais e da proximidade dos serviços públicos e do acesso à justiça 
por todos os cidadãos, e pelo despertar cívico dos transmontanos. 
 
O encerramento de sete tribunais do Distrito de Vila Real, constitui um dos maiores 
ataques por parte da Administração Central às populações do interior do país. 
 
O acesso à justiça, à educação e à saúde são um direito fundamental do povo, que 
deposita no “Estado” a garantia e acesso a esses bens sociais e que sustentam os 
pilares da sociedade. O Estado não pode dizer que esse acordo não existe, e não pode 
vender esses direitos a empresas privadas, ou no caso da Justiça desresponsabilizar-se 
pela paz pública, como pretendem os partidos da Troika com estas ações, assim se irá 
tornar a vida dos portugueses um calvário. 
 
Estes três princípios têm sido sucessiva e insistentemente subtraídos às populações do 
interior. Em Portugal, até muito antes da existência do Estado de Direito e da 
existência de Estado, sempre se verificou um esforço por levar a "justiça" para próximo 
das populações. 
 
O que se ensina na história é hoje negado e escondido e acrescentam os nossos 
governantes que devemos ter juízo e aceitar as amarguras. 
 
É por isto que o Bloco de Esquerda considera que o actual modelo de reorganização 
judicial é um claro retrocesso civilizacional, e insuportável, principalmente para os 
concelhos localizados em regiões económica e socialmente deprimidas. 
 
Os pressupostos em que assenta esta reorganização, são mera contabilidade. Para 
além disso, serão sempre injustas e perigosas, poisanunciam mais desinvestimento 
público, mais abandono e mais desestruturação do território, mais desemprego. Além 
disso os tribunais a encerrar não apresentam uma grande morosidade de processos, 
ao encerra-los iremos entupir os restantes tribunais. A colocação de competências, 
como o direito do trabalho, família, direito comercial, nos dois grandes pólos urbanos 
do distrito, como Chaves e Vila Real, vão onerar brutalmente os interessados nos 
processos. Se a justiça é agora um luxo, amanhã será uma regalia para alguns.
 
É inadmissível que as populações tenham que se deslocar dezenas e até centenas de 
quilómetros para ir ao encontro das instituições judicias, numa região onde os 
transportes públicos praticamente não existem e comuma população envelhecida e 
pobre. As populações tenderão a fazer justiça pelaspróprias mãos e a quebrar laços de 
confiança com o Estado. 
 
É preciso que as populações da nossa região saibam que esta proposta, que se traduz 
no encerramento de tribunais, não resulta de uma real necessidade, mas sim de uma 
imposição ilegítima da Troika, que no ponto 7 do seu memorando informa da 
necessidade de “acelerar a implementação da reformado mapa judiciário”. O 
memorando não diz quais os tribunais a fechar, no entanto os documentos que 
acompanham as decisões de aplicar o programa nas mais diversas áreas seleccionam 
os elos mais fracos. Não podem os partidos da troika esquecer que são responsáveis 
em várias comissões e entidades por colocar esses planos em marcha. 
Sobre a conduta dos autarcas. Os senhores presidentes de Câmara dos concelhos 
abrangidos por esta medida, há muito sabiam da existência da reforma do mapa 
judiciário e da eventualidade de encerramento de mais serviços públicos. As reacções 
e medidas agora por si anunciadas são hipócritas e ridículas, pois durante todo este 
tempo não fizeram mais do que obedecer aos seus directórios partidários, e todos o 
sabem. Ainda em 2011 os autarcas andaram em campanha eleitoral pelos seus 
partidos e, já então, sabiam bem das intenções e daprogramação da intervenção da 
Troika. 
 
Transmontanos; vocês também o sabiam mas não foram levados ao debate nas 
eleições do ano passado, ficamos colectivamente entretidos com o concurso de 
popularidade protagonizado pelos partidos da troika, hoje não existe nenhum 
concurso de popularidade que vos alegre o apertar do cinto, e as suas consequências, 
é preciso ripostar. 
 
As vossas liberdades devem estar em primeiro lugar que a contabilidade do Vítor 
Gaspar. 
 
A defesa do interesse das nossas populações faz-se também na afirmação clara, 
concertada e radical de que somos contra o encerramento de qualquer tribunal na 
região transmontana. 
 
A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Vila Real
Vila Real, 21 de Junho de 2012 
 
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
14449778_1017459351699565_1908966147365647017_n.jpg
O que quer o Bloco?
oet2.jpg
Jornal Orçamento

capajornalnov16.jpg

Legislativas 2015
Vota Bloco de Esquerda
Revista Vírus
Revista Vírus
© 2017 Site Distrital de Vila Real - Bloco de Esquerda
Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.